Parti cedo e caminhei até a Gávea – ou seja, a montanha do cesto de mastro. O ar estava deliciosamente fresco e cheiroso, as gotas de orvalho ainda brilhavam nas folhas de grandes liliáceas, que sombreavam os riachos de água clara. Sentado num bloco de granito, era delicioso ver os vários insetos e pássaros passarem voando. Os beija-flores parecem gostar especialmente desses lugares sombrios e reclusos.  Sempre que eu via essas pequenas criaturas zumbindo ao redor de uma flor, com suas asas vibrando tão rapidamente que eram escassamente visíveis, eu me lembrava das mariposas sphynx. Seus movimentos e hábitos são de fato, em muitos respeitos, muito semelhantes.      Seguindo uma trilha, entrei numa nobre floresta e de uma certa elevação de 500 ou 600 pés, uma esplêndida vista me foi apresentada, do tipo que é tão comum em vários lados do Rio. Desse ponto a paisagem atingia sua cor mais brilhante e toda forma, todo matiz tão completamente superava em magnificência tudo que o europeu jamais teve em sua terra, que ele não sabe expressar o que sente. O efeito geral sempre me recordava os mais vistosos cenários de ópera ou dos grandes teatros. ​                     Charles Darwin, Diário de bordo , 1832

 

Fundada em 2000, a AMALGA  defende os interesses dos moradores do Alto Gávea , e a manutenção e o aprimoramento do Museu Histórico da Cidade, do Parque da Cidade e do Parque Municipal Sergio Bernardes,  representando seus associados junto à administração pública, e como membro titular das seguintes instituições:  Comitê da Baia da Guanabara, Subcomitê da Lagoa Rodrigo de Freitas e Comitê Gestor do Parque da Cidade.  

A AMALGA não impõem contribuição de cunho financeiro aos associados, sendo apoiada pelo trabalho voluntário de sua diretoria e por doações. Contatos através do email 2000amalga@gmail.com